A definição da taxa de cambial – quanto vale a moeda em relação à outra, por exemplo, o valor do Euro versus o Dólar (EUR/USD) – de um país depende de diversas variáveis. Mas há alguns indicadores que podem resumir as expectativas de valorização e desvalorização de uma moeda no mercado de Forex, eles são os Títulos dos Tesouro Americano (U.S. Treasury Bonds) e a taxa básica de juros.

Antes de avançarmos, a finalidade deste artigo é provocar os leitores com um resumo direto e realista do complexo processo de formação de preço de uma taxa de câmbio.

A Boa Informação

O mercado cambial infelizmente é apresentado pelos gurus como se acontecesse apenas nos campos da análise gráfica/técnica, do “tape reading“, dos indicadores “milagrosos”, das superficialidades dos calendários econômicos e das estratégias prontas.

O investidor de varejo, por natureza já sofre com um fenômeno estudado na Economia chamado de “assimetria de informação“, que basicamente trata dos diferentes níveis de acesso à informação que investidores possuem.

Assimetria da Informação. "O peso da informação".

Assimetria da Informação. “O peso da informação”.

Consideremos um exemplo prático: um administrador de Hedge Fund recebe informação privilegiada de um insider de um Banco Central, e assim executa para benefício de seu fundo, melhores (informadas) estratégias do que os outros participantes do mercado.

Além do acesso a informação de qualidade (ou privilegiada), a falta de boa instrução pode ser considerada uma das principais causas do fracasso de muitos investidores de renda variável, principalmente quando se trata de mercado de ativos alavancados como o de moedas.

É sabido que muitos investidores iniciantes entram no mercado de renda fixa através do mercado internacional de câmbio – FOREX, FX -, seja o spot (à vista) ou futuro.

No Brasil, o mercado de FX spot acontece em balcão, onde a troca de moedas é feita através Bancos e instituições autorizadas pelo Banco Central do Brasil (BACEN), que são conhecidas como dealers. Os investidores de varejo têm, hoje em dia, fácil acesso ao mercado futuro de dólar, por exemplo, onde negociam na BM&FBovespa os contratos mini ou padrão da moeda.

Na maioria dos casos, essas introduções aos mercados cambiais são fracas e, de certa forma, místicas, deixando sequelas nos investidores e estudantes iniciantes que raramente serão curadas.

Devido grande ausência, em nível de varejo, do debate saudável, aprofundado e sistemático sobre o mercado cambial, exploraremos de forma resumida e simplificada alguns dos principais motores das economias globais que raramente são discutidos em cursos e aulas sobre o mercado de FX: Bonds e as taxas de juros.

Os Bonds Americanos e a Taxa de Juros

Similares às notas promissórias, os Bonds são obrigações de renda fixa que são emitidas por empresas, Bancos ou governos. Um Bond é um certificado de dívida no qual o emissor se compromete a pagar uma taxa de de juros em intervalos pré-determinados, durante um período de tempo, além de pagar também o montante da emissão, ou seja, o principal da dívida, na data da maturidade (vencimento). Como o Bond é um instrumento de dívida o comprador é um credor da empresa, e não um acionista, como no caso do comprador de ações.

Neste artigo, trataremos apenas das particularidades pontuais dos títulos da divida pública americana. O governo americano, em vez de solicitarem financiamento a um Banco, ele emite títulos da dívida (Bonds) e, basicamente, concorda em pagar uma taxa de juros por ficar em poder do dinheiro do investidor.

É válido lembrar que os Bonds norte-americanos nunca entraram em moratória em toda a história, por isso são considerados os mais seguros do mundo.

O dólar americano é a moeda de referência mundial e que tem o poder de alterar o fluxo cambial de todos os países por isso a precificação dos Bonds é o melhor indicador para estudar as expectativas em geral dos investidores em relação à toda economia americana, que começa pela taxa de juros.

As expectativas em relação as políticas econômicas do Banco Central americano, o Federal Reserve (FED), alteram tendências logo que os 7 governadores do conselho sinalizam mudanças no roteiro econômico que pode incluir alterações na taxa de juros.

As taxas de juros têm impacto muito importante nas oscilações das taxas de câmbio. Ela é a base sólida da Análise Fundamentalista quando se trata de moedasBilal Hafeez - Chefe Global de Pesquisa de Forex do Deutsche Bank

Como qualquer tema relativo ao mercado financeiro, a taxa de juros americana faz parte um tema muito extenso e não deve ser interpretada como um comando de duas opções: ou move o mercado ou não. O impacto dela nos mercados de ações e nas taxas de câmbios dos países pode variar muito de economia para economia, devido ao contexto corrente do cenário micro e macroeconômico.

A exemplo, quanto mais investidores deixam de investir em papéis de empresas e outros investimentos de alto risco – fundos de índices (ETFs) -, a demanda por ativos de menor risco como os Bonds americanos e o dólar americano aumenta. E este fenômeno faz com que a moeda americana seja valorizada frente às diversas outras divisas, como a recente valorização do dólar americano em frente ao euro; a cotação do par de moedas EUR/USD cai.

EUR/USD em correlação com os Bonds americanos e o índice do dólar. Dados 2017: TradingView

EUR/USD em correlação com os Bonds americanos e o índice do dólar. Dados 2017: TradingView

Este é um dos principais motivos para acompanhar os yields (recompensa) dos Bonds do Tesouro Americano: eles agem como fortes indicadores da direção das expectativas da taxa de juros do país.

É possível observar no gráfico acima que em novembro do ano passado os yields dos títulos de 2, 10 e 30 anos do Tesouro Americano entraram em uma forte tendência de alta, derrubando em quase 4% a cotação do Euro (EUR/USD) e assim pressionando para cima o índice do dólar (DXY), que mede o peso do dólar contra uma carteira de seis moedas majors: Euro (EUR), Iene (JPY), Libra Esterlina (GBP), Dólar Canadense (CAD), Coroa Sueca (SEK) e o Franco Suíço (CHF).

Este movimento aconteceu devido aos dados econômicos positivos da economia americana (dados de emprego e desemprego, balança comercial, produção industrial e prévias do PIB e inflação) e também do tom hawkish (agressivo) de diversos membros do FED, indicando que na reunião de dezembro poderiam aumentar a taxa básica de juros. O mercado então já havia começado a precificar o próximo passo do Banco do Central americano. E na reunião em dezembro, o FED fez o esperado e a taxa básica de juros saiu dos 0,50% e foi ampliada para 0,75%.

Um exemplo prático que não deve ser tomado como regra absoluta é: ao analisar o yield da Nota de 10 Anos do Tesouro (10-year Treasury note, US10Y), você poderá notar que se a taxa estiver subindo, o dólar é bullish (tendência de alta), se o yield estiver caindo, o dólar é bearish (tendência de baixa).

É muito importante compreender os motivos que levam os yields caírem e subirem. Geralmente, é com base nas expectativas da taxa de juros ou com base nas incertezas do mercado que levam à uma “briga por segurança” nos Bonds de menor risco.

Encontrando as cotações dos Yields dos Bonds

É possível encontrar as curvas dos yields dos Bonds em diversas lugares. O principal é o próprio site do Tesouro Americano, onde há o registro completo de todos os títulos ofertados pelo governo dos EUA.

A Bolsa de Nova Iorque (NYSE) também oferece em seu feed (market data) os dados dos yields. A plataforma TradingView, Yahoo Finance, Google Finance, Bloomberg, Investing.com também oferecem as informações sobre os Bonds.

Abaixo uma breve lista para acesso aos dados das yields:

Extrato sobre os Bonds e o Mercado de Forex

Neste artigo estudamos de forma resumida sobre os impactos dos Bonds e da taxa de juros americana no mercado cambial.

Estes temas são profundos e configuram parte essencial do mercado financeiro. É muito raro algum analista ou guru abordar com profundidade sobre o grande impacto que estes instrumentos têm no mercado cambial e até mesmo no de ações.

Com esta breve introdução em mãos, o investidor pode elaborar estudos mais aprofundados das especificidades dos mercados de Bonds e da contextualidade da taxa de juros dos países onde pretende investir.

Para finalizar, traduzimos um vídeo da Bloomberg Education, em que pesquisadores do mercado de FX de grandes Bancos comentam e explicam sobre os impactos dos Bonds americanos e da taxa de juros na variação cambial das moedas.

Comentários

Comentários