Tanto os bancos centrais quanto os traders de Forex acompanham de perto a divulgação dos dados macroeconômicos visando tirar proveito de alguma forma; mas seus objetivos são ligeiramente diferentes.

Os traders de FX normalmente estão mais interessados na “ação do preço” antes, durante e depois da divulgação do dado. Se, por exemplo, o Índice de Preços ao Consumidor (CPI) americano vem acima do esperado pelo mercado, então os operadores, possivelmente, estarão procurando montar uma posição comprada no par EUR/USD.

CPI Americano de 2017.

CPI Americano de 2017.

Os bancos centrais, entretanto, têm uma visão mais ampla em relação aos dados divulgados. Eles buscam observar os pontos primários de referência da economia para desenvolver da melhor forma possível a política monetária que envolve, além dos incentivos ou cortes destes à setores importantes e o controle de liquidez no mercado interbancário, o corte da taxa básica de juros.

Inflação e Emprego

A inflação e emprego são os dados mais relevantes para a “cesta estatística” dos bancos centrais pois são dois pontos elementares de pressão em uma economia. Se o desemprego está alto, muito provavelmente a economia enfrentará dificuldades. Como aconteceu no Brasil nos últimos anos.

Podemos considerar o pico do desemprego no Brasil que ocorreu em março de 2017, chegando à 13.7% (atingindo cerca de 14,2 milhões de pessoas). Nesse mesmo período, o Banco Central do Brasil por meio do Comitê de Política Monetária (COPOM) vinha trabalhando no corte da taxa básica de juros agressivos para rapidamente aquecer a economia brasileira. A taxa de juros atingiu o pico de 14.15% a.a. em julho de 2015 durante governo Dilma Rousseff, e ficou inalterada até outubro de 2016, já na gestão de Michel Temer.

Logo que os dados de emprego/desemprego de uma economia são publicados, a informação é interpretada quase que em tempo real. Os traders de Forex começarão a precificar os números considerando um provável corte ou aumento da taxa de juros pelo banco central.

O mesmo acontece com os dados de inflação: logo que são publicados, os participantes agirão rapidamente para abstrair as novas informações precificando os ativos. Enquanto que os bancos centrais estarão observando cautelosamente esse cenário para planejar os próximos passos para a próxima reunião de seus Comitês de Política Monetária.

Um aumento no desemprego (queda das vagas de emprego) juntamente com a queda da inflação normalmente são ameaças para uma economia. Com esse cenário, os bancos centrais tendem a considerar um corte na taxa de juros.

Uma queda no desemprego (aumento do emprego) juntamente com um aumento na inflação normalmente são sinais de uma economia em expansão, e pode levar os bancos centrais a considerar possíveis aumento na taxa de juros.

“Tripé macroenômico” dos traders: inflação, desemprego e taxa de juros

Mas os bancos centrais e os operadores de Forex não ficam esperando apenas pelos dados de emprego e inflação para precificar a saúde de uma economia. Eles monitoram de perto dados adicionais que podem ajudá-los a planejar os possíveis cenários futuros para as futuras decisões de política monetária de acordo com as mudanças no tripé: inflação, desemprego e taxa de juros.

Interpretação dos dados econômicos.

Interpretação dos dados econômicos.

Independentemente de outros dados adicionais ou fatos relevantes, o mercado sempre está voltado para os ciclos da taxa de juros, e em como uma melhora ou piora das condições econômicas de um país ou região podem, eventualmente, aumentar ou diminuir a taxa de juros, assim moldando o fluxo de capital e a precificações dos ativos em geral, principalmente dos bonds e moedas.

Comentários

Comentários