Uma das formas de analisar a “ação do preço” no mercado financeiro é conhecida como fluxo de ordens (order flow). No Brasil e nos EUA, ela é muito conhecida como Tape Reading.

O propósito deste artigo é trazer uma visão geral sobre minha visão e experiência com esta ferramenta técnica, que muitos operadores de tesourarias, brokers e mesa proprietárias – até mesmo os algoritmos de execução, market making e de alta frequência – utilizam para encontrar “timing” no mercado.

Independente da classe de ativos que o trader opere (moedas, commodities, stocks e até criptomoedas) a análise de fluxo de ordens é usada para determinar qual lado, compradores ou vendedores, está fazendo a dinâmica do movimento dos preços.

Este artigo tem como pretensão fundamental fornecer os primeiros passos no estudo desta poderosa ferramenta técnica.

Veremos os seguintes pontos:

  • O problema fundamental dos indicadores estacionários
  • Como os dados do fluxo de ordens fornecem contexto para analisar o movimento do preço
  • Motivação para usar ferramentas de análise de fluxo de ordens

Fluxo de Ordens e o Problema dos Indicadores Estacionários

Nas primeiras décadas do mercado financeiro organizado, os participantes tinham informações limitadas para auxiliar na tomada de decisão. Apenas dados de preço, tempo e volume histórico eram disponibilizados após os pregões. A “ação do preço” (price action), nas melhores casas de investimento, era ilustrada pela abertura, máxima, mínima e fechamento (OHLC) dos níveis de preço das sessões anteriores.

Os investidores não tinham uma ferramenta que pudesse ajudar a analisar a formação de preço em tempo real que acontecia nos pits. Então, os investidores negociavam basicamente usando perspectiva histórica, ou seja, olhando sempre para o passado.

Ainda hoje muitos traders continuam utilizando formas de analisar o passado para poder entender a formação de preço. Porém, essa abordagem de análise simplista de séries de dados em mercados que são por natureza aleatórios podem enganar o operar.

Essa visão “fotográfica” se tornou uma abordagem antiquada para usar na tomada de decisão. Traders de varejo estão perdendo informações críticas que hoje todos os participantes podem ter acesso.

Gráfico de Candles na plataforma ActivTrader. Derivativo do Míni Índice, BRA50.

Gráfico de Candles na plataforma ActivTrader. Derivativo do Míni Índice, BRA50.

Ao invés de agregar milhões de dados que revelam por baixo a verdade por trás da movimentação do preço, a indústria do mercado financeiro tem aceito esta abordagem restritiva por 3 motivos:

  1. Os dados de OHLC até recentemente têm sido os únicos dados que podiam ser entregues de forma eficiente aos investidores de varejo;
  2. Há uma simplicidade óbvia ao usar menos dados: mais dados significa que haveria a necessidade de uma organização lógica de cada conjunto, e isso pode ser uma tarefa trabalhosa tanto para o provedor de dados, da plataforma e também do hardware do cliente final;
  3. Historicamente, o mercado financeiro não era global, mas sim, doméstico. Com isso, um relatório de atividade dos participantes domésticos de um dia ou de vários, era suficiente para a maioria dos investidores.

Quando os mercados não tinham toda a estrutura tecnológica que tem nos dias hoje, indicadores baseados em dados OHLC eram utilizados em quase todas as casas de investimentos, pois era uma novidade, poderia trazer vantagens competitivas.

Até hoje, a indústria – gurus e sell-side de varejo – ainda explora traders de varejo com de derivações de indicadores técnicos como MACD, RSI, Médias, Bollinger Bands e outros populares. Sempre aparece um indicador ou alguma metodologia que promete dar os melhores sinais para operar.

No entanto, hoje em dia, usar estes quatro dados – abertura, máxima, mínima e fechamento – é como navegar na internet usando uma conexão discada. É insuficiente. Utilizando quatro dados para operar buscando entender o preço futuro é, na pior da hipóteses, ver um borrão. Falta informação contextual.

Fluxo de ordens para contextualizar o pregão

Assim que a negociação eletrônica torno-se padrão, houve uma mudança significativa no leilão de mercado em três diferentes aspectos.

Primeiro, os sistemas digitais colocaram um “véu eletrônico” nos operadores. Segundo, houve um aumento expressivo no armazenamento de dados de mercado. Terceiro, essa transição do pregão físico para o eletrônico conectou operadores institucionais e traders profissionais com “acesso direto ao mercado” (DMA), melhores ferramentas para análises e infraestrutura avançada para execução das ordens.

Rápidos avanços na transmissão de dados e armazenamento nos últimos oito anos fizeram com que cada tick de dado fossem disponíveis em tempo real para todos os participantes. Mas, apesar de todos os avanços tecnológicos, muitos traders de varejo ainda experimentam desvantagens operacionais.

O véu eletrônico limitou o varejo ao oferecer massivamente plataformas gratuitas com dados OHLC nos diversos tipos de gráficos existentes. Criou-se assim um certo “mundo pop” de “grafistas” no lado do varejo. Consequentemente, os traders “na física” que ignoram essa evolução do mercado, estão perdendo os dados contextuais importantíssimos por trás do movimento de um ativo.

Esses dados são oferecidos por plataformas avançadas. São conhecidos como: dados de nível 2 (Level II) ou Profundidade de Mercado (Depth of Market).

Para gerar ideias operacionais utilizando a análise top down (análise macro) com um timing mais apurado, utilizando todos os dados disponíveis, o trader pode adotar a análise de fluxo de ordens.

Hoje em dia diversos softwares propõem novas e diferentes abordagens para a leitura de fluxo como:

Fluxo de Ordens com OFA Ninja

Neste artigo, usaremos o plugin OFA Ninja como exemplo de ferramenta para análise de fluxo de ordens.

O OFA Ninja foi desenvolvido pela empresa americana Order Flow Analytics. Com anos de prática usando análise de fluxo de ordens, em parceria com empresas especializadas de Chicago, eles desenvolveram uma solução em software que retrata os dados do histórico de negócios (time and sales) e livro de ofertas (book) em visualizações customizáveis, conhecido no Brasil como “Gráfico de Tape Reading” e fora, como “Footprint Chart”.

Essas ferramentas têm o foco voltado para fornecer uma forma de analisar o fluxo de ordens, ou seja, a interação das ordens passivas e ativas em tempo real que formam o leilão do mercado. Elas vão além, e também possibilitar analisar a distribuição do volume por nível de preço – informações contextuais que podem ajudar a entender o movimento do preço.

Sem analisar as informações de nível II, o operador fica limitado à especular se o nível de preço será superado com base nas informações de preços dos períodos anteriores. Já que hoje os traders conseguem acessar esses em tempo real, por isso não faz muito sentido confiar em dados limitados e antiquados. Cada interação no mercado pode ser diferente, portanto, aleatório pois não é possível prever com precisão o que vai acontecer no próximo segundo, porém, analisando o fluxo das ordens é possível obter contexto para um movimento de preço e ter mais convicção sobre um movimento esperado.

Histórico de Negócios (Time and Sales), Ninjatrader. Euro Futuro (CME).

Histórico de Negócios (Time and Sales), Ninjatrader. Euro Futuro (CME).

O leilão de mercado é um mecanismo que representa o que os compradores e vendedores estão tentando realizar. E isto, a “ação do preço” sozinha não revela totalmente.

O quão compromissados estão os compradores em levar o preço para cima? Quando os vendedores vão ceder e deixar os compradores puxarem o preço? Ou os vendedores conseguirão mover o preço para baixo?

Os dados de leilão de mercado, acessado através do nível II, revela as ordens de volume que são geradas pelos compradores e vendedores, e que podem indicar o nível de convicção de ambos os lados para mover ou não o preço.

Esses dados, compilados e analisados de forma coerente, podem oferecerem valiosas informações para os traders pois trazem o sentimento do mercado em níveis correntes de preço. O sentimento do mercado não pode ser identificado de forma clara com o uso de indicadores estacionários; o flow dos participantes é melhor revelado através da análise de fluxo de ordens.

É preciso que o trader tenha em mente que há apenas duas diferentes formas de um negócio acontecer em um processo de leilão: ou um comprador aceita a pagar uma oferta de um vendedor (ask) ou um vendedor aceita a pagar uma oferta do comprador (bid).

Os negócios serão realizados nas ofertas de compra ou de venda; consequentemente, o movimento do preço segue na direção desejada dos compradores ou vendedores. O preço não se movimenta sem convicção suficiente de um dos dois lados.

Se um lado tem convicção suficiente e consegue mover o preço, então, um viés de mercado aparece e uma tendência pode se desenvolver. Por outro lado, se um dos lados está demonstrando convicção mas não consegue mover o preço, então o outro lado poderá montar convicção mais forte e levar o preço em outra direção. Uma das vantagens da análise de fluxo de ordens é que ela pode revelar a convicção do mercado em tempo real.

Profundidade de Mercado. Cotação do Euro Futuro - CME em 09 de fevereiro de 2017.

Profundidade de Mercado. Cotação do Euro Futuro – CME em 09 de fevereiro de 2017.

Na imagem à esquerda, podemos observar a Profundidade do Mercado (DOMDepth of Market), do contrato do Euro Futuro negociado na CME (Bolsa de Chicago) em torno do $1,06740. O leilão tem ordens pendentes em ambos os lados – compra e venda. De acordo com os dados de Profundidade de Mercado, podemos observar que compradores e vendedores estão separados relativamente com tamanhos de lotes iguais, e em tese, podemos ver que o mercado está em equilíbrio.

Em termos simples, para o preço romper o $1,06760, o total de 302+1 contratos ofertados pelos vendedores nos níveis de preço acima do atual devem ser consumidos com ordens à mercado por compradores agressivos. Por outro lado, para o preço romper o $1,06710, um total de 347+1 contratos devem ser consumidos pelos vendedores agressivos com ordens à mercado.

Ao analisar a dinâmica dessas ordens, a forma como elas são colocadas, retiradas e consumidas durante o pregão, operadores conseguem ter melhor noção se o preço pode ir até o $1,06760 ou $1,06710. Este tipo de contexto é o que a análise de fluxo de ordens oferece, e é uma das vantagens em relação ao gráfico baseado apenas em preço.

Mas mesmo o DOM revela apenas uma parte do processo de leilão. As ordens mais importantes serão aquelas que têm negócio fechado, que encontram contraparte – aquelas que aparecem na “fita” (histórico de negócios, times and sales). Essas ordens são as que podem indicar qual lado está “vencendo” o leilão. E os dados dessas execuções são os que oferecem as bases para a análise de fluxo de ordens.

O ponto-chave aqui é que a atividade do mercado – não simplesmente o preço do mercado – revelam o sentimento e, mais importante ainda, a convicção dos operadores. Conhecer este processo pode ajudar o operador a ficar melhor informado sobre as tendências do preço.

Infelizmente, a convicção dos operadores não pode ser mostrada através de indicadores estacionários tradicionais. Operar de forma mais efetiva e estar do “lado certo” do viés, só é possível através da análise de fluxo de ordens em tempo real. E essa leitura pode melhorar muito mais com o uso de ferramentas de fluxo como o OFA Ninja.

Analisando Volume Negociado

Em complemento à análise de fluxo de ordens para entender como o mercado se movimenta, há um outro importante componente para os operadores usarem: volume at price (VAP, volume por nível de preço). Tradicionalmente, os operadores têm usado indicadores de volume baseados em tempo e tick para identificar a atividade nos ativos (em mercados líquidos). Mas esses clássicos histogramas de volume não revelam nada sobre como o volume real está entrando no mercado.

Não seria mais efetivo analisar o volume dos negócios gerados em cada nível de preço?

A verdade é que o volume at price exibido através do volume profile mostra muito mais sobre o atual sentimento do mercado.

Volume at Price do Ninjatrader. Euro Futuro (CME).

Volume at Price do Ninjatrader. Euro Futuro (CME).

Operadores institucionais fazem uso do volume profile como meio para encontrar pontos de entrada e saída. Eles estão buscando níveis de alta liquidez para casar com o “timing” da estratégia que ele deseja executar, assim, logo que o preço deixa uma zona de preço justo, o volume tende a diminuir e poucos operadores institucionais executam nessas áreas.

Quando o volume cai, operadores experientes ficam esperando pelo próximo aumento de volume. Saber em quais níveis isso está acontecendo pode ser crucial na tomada de decisão de uma operação.

Um volume profile pode ser entendido de forma superficial como ilustrações das emoções dos operadores como medo, ganância, otimismo e pessimismo em conjunto com atributos comportamentais como mentalidade de manada.

Suporte e resistência, por exemplo, são zonas que são formadas essencialmente por causa das emoções humanas. Medo e ganância fazem forte pressão em níveis de suporte e resistência. Por exemplo, logo que o preço retorna à um nível de suporte, operadores que estão comprados normalmente vão fazer médio; operadores que estão vendidos podem fechar a posição (comprar) pois estão com medo de perder dinheiro. A mentalidade de manada é revelada porque operadores tendem a se reunir próximos à níveis de suporte e resistência, aumentando o volume próximos à esses níveis e criando áreas de concentração de volume.

Volume Profile e Tomada de Decisão

Afinal, como a análise da estrutura de volume ajuda a tomar decisões de negociação?

A atividade de leilão age como uma espécie de atração gravitacional em direção às zonas de alta concentração de volume (High Volume AreasHVAs). Os operadores tendem a “gravitar” ao redor dessas concentrações durante a sessão de negociação, mesmo com o preço subindo ou caindo. O mercado normalmente rejeita áreas de baixa concentração de volume (Low Volume AreasLVAs) pois elas não representam áreas de preço justo.

Por outro lado, o preço tende a se movimentar para as áreas onde o volume é mais robusto. Usando o volume profile, o operador pode analisar muito melhor as HVAs.

Volume pode ser traiçoeiro de se decifrar. Negociações de algoritmos de baixa e alta frequência fazem execuções em microssegundos e impactam no volume negociado durante a sessão. Ao invés de procurar por preço justo, alguns operadores institucionais podem fazer “stop run“, onde executam ordens de inventário em diversos níveis de preço buscando os lotes enviados através de ordens pendentes aguardando execução.

Mas, independente disso, a análise de volume at price é muito importante para buscar alvos e trabalhar o gerenciamento de risco pois o operador estará observando uma representação mais precisa da liquidez do ativo que opera. Uma alta concentração de volume em determinadas regiões de preço significa maior liquidez e melhores condições de execução de ordem.

Portanto, as HVAs oferecem grandes oportunidades para entrar e sair de uma posição com sucesso; consequentemente, as LVAs apresentam oportunidades limitadas.

Volume Profile, LVA e HVA. Plugin OFA Ninja. Euro Futuro (CME).

Volume Profile, LVA e HVA. Plugin OFA Ninja. Euro Futuro (CME).

Em níveis de preço em que as HVAs (podemos classificar estes níveis como “nós de alto volume“, high-volume nodes) foram formadas, eles representam regiões em que operadores melhores informados (smart money) estão negociando, e frequentemente são níveis importantes de suporte e resistência.

Zonas de suporte e resistência são regiões em que o mercado tende a ficar em range antes de romper para novas ou prévias áreas de suporte e resistência. Estas áreas podem oferecer excelentes oportunidades de operação.

Em contrapartida, as LVAs são regiões que o mercado não está interessado. Desse modo, se compradores ou vendedores não estão dispostos a se expor em certo nível de preço, o volume levará o preço para uma ou outra direção para que assim os operadores tomem uma posição. E isso cria ciclos de rotações que também oferecem boas oportunidades.

A Ferramenta OFA Ninja

A solução de visualização gráfica do plugin OFA Ninja foi criada para revelar o atual processo eletrônico, tick por tick, de leilão e oferece aos operadores ferramentas para interpretar e encontrar locais em que o volume está sendo distribuído no mercado e em qual direção em tempo real.

Os vendedores vão derrubar o preço ou os compradores vão elevá-lo? Os compradores vão “aliviar” e possibilitar que os vendedores derrubem os preços? Sem a análise de fluxo de ordens e ferramentas como OFA Ninja, não é possível você saber em tempo real qual é a dinâmica das ordens.

A visualização que é possível extrair do OFA Ninja, possibilita ao operador ficar mais paciente e ter mais sucesso ao definir alvos e gerenciar risco.

Gráfico de Footprint do OFA Ninja. Ativo: Euro Futuro (CME).

Gráfico de Footprint do OFA Ninja. Ativo: Euro Futuro (CME).

Conclusão

Esperamos que esta introdução provoque o momento de “a-ha” no leitor, e ajude a trazer a análise de fluxo de ordens como parte do operacional.

Traders estão usando o fluxo de ordens para confirmar se uma decisão baseada em análise macro está apoiada na atividade real de leilão e sentimento do mercado.

É válido lembrar que nem todas as ferramentas de fluxo de ordens possibilitam uma visão contextual clara do fluxo de ordens. Muitas ferramentas são meramente produtos a serem vendidos aos operadores de varejo.

Também é importante frisar que o estudo dos mercados e seus ativos não começa e muito menos acaba na estudo do fluxo de ordens, é necessário que o operador vá além e busque conhecer e compreender os diversos e complexos aspectos que fazem o mercado financeiro funcionar.

Comentários

Comentários